Em “The Same Boat”, o 13º episódio da sexta temporada de The Walking Dead, vemos tudo o que aconteceu com Carol e Maggie enquanto os outros protagonistas estavam cumprindo sua missão no acampamento dos homens de Negan.

Como já sabíamos, as duas foram capturadas por um grupo que estava fora do acampamento quando o banho de sangue aconteceu. Quase todo composto por mulheres, tal grupo é liderado por Paula (Alicia Witt), que se comunica com Rick pelo rádio e hesita em fazer um tratado de troca. Rick e companhia tem em sua possessão um dos homens do grupo dos Salvadores, e o oferecem em troca da liberação de Carol e Maggie.

O grupo de mulheres leva as duas para uma localização remota, onde um armazém infestado por Walkers tem as palavras “Killing Floor” (algo como “andar da matança”) escritas no chão. Amarradas nas mãos e nos pés e com uma mordaça na boca, as duas tem um curto tempo sozinhas enquanto o grupo de sequestradores parte para ter certeza que os arredores desse armazém estão seguros. Maggie tenta freneticamente se libertar sem muito sucesso, enquanto Carol pega um rosário que acha no chão e finge estar com dificuldades para respirar assim que os sequestradores voltam. Isso os leva a tirar a mordaça das duas, e Carol continua a fingir ser uma mulher frágil e religiosa, preocupa apenas com a segurança de Maggie e o bebê, o que o grupo de sequestradores lê como um sinal de fraqueza.


O único homem do grupo de sequestradores é ferido por Carol ainda durante a captura das duas, e Carol o convence que seu braço baleado precisa de cuidados médicos se ele não quiser tê-lo amputado. Furioso e querendo vingança, o homem parte para cima de Carol e Maggie, e uma altercação física acontece, terminando com Paula atingindo-o com a parte de trás da sua arma e o deixando desacordado.

O crítico do AVClub notou, sobre o episódio, que de certa forma o grupo Salvadores, que sequestra Carol e Maggie, não parece uma ameaça muito concreta – de fato, todos os grupos de homens de Negan que nossos protagonistas encontraram até agora não se mostraram grandes oponentes, e embora isso com certeza seja uma jogada dos roteiristas para nos atrair a um senso falso de segurança que será destruído quando Negan entrar em cena, talvez eles estejam fazendo um trabalho bom demais nesse sentido. Se não vermos que os homens que Negan comanda são competentes e uma ameaça legítima, será difícil o levar a sério.

Logo depois desse confronto físico, os captores separam Carol e Maggie, conduzindo interrogatórios com elas. Enquanto Maggie e sua interrogadora recapitulam muitas das tragédias pelas quais passaram desde o apocalipse zumbi, formando uma espécie estranha de vínculo uma com a outra, Carol é questionada por Paula e continua se escondendo por trás da aparência de fraqueza. Paula a conta que matou mais de uma dezena de pessoas, e responde a uma afirmação de sua prisioneira (a de que os nossos protagonistas estão atrás de Negan e seus homens porque “ele precisa ser parado”) de forma enigmática: “Nós somos todos Negan”.

Em um raro momento honesto, Carol começa a revelar-se verdadeiramente, intimidando Paula ao dizer que ela está muito perto de morrer com o jogo que está jogando. A sequestradora pergunta sarcasticamente se será Carol a pessoa a mata-la, ao que a nossa ex-dona de casa favorita responde: “Eu espero que não”. A líder das sequestradoras contata Rick novamente dizendo que está disposta a fazer a troca agora que já tirou informações das duas reféns. A falta de estática na ligação do rádio, no entanto, faz Paula desconfiar de que Rick e companhia estão do lado de fora do armazém, esperando que elas saiam para mata-las.

Apesar das súplicas de Carol, Paula e as outras sequestradoras saem do quarto em que Carol está presa e pretendem surpreender os nossos protagonistas por trás. Cheia de recursos, ao ser deixada sozinha Carol usa a ponta da cruz do rosário para se libertar e corre até Maggie, que a diz que elas duas não podem simplesmente fugir sem “terminar o trabalho” e eliminar o grupo de sequestradoras.

A explosão de violência que se segue, com Carol e Maggie usando truques e brutalidade para eliminar cada um dos Saviors remanescentes, incluindo Paula, traz à mente a atual crise existencial de Carol, cuja contagem de assassinatos, agora muito maior que os 18 que soubemos em um episódio anterior, está começando a incomodar e ter consequências na psique da personagem. Como notou a EW, Carol está preparada para fazer o que é preciso para sobreviver, mas cada vez mais pensa na real necessidade do assassinato e da violência, como quando dá à Paula a chance de escapar para que não seja obrigada a mata-la.

Encontrando Rick e seus companheiros do lado de fora do armazém, Carol e Maggie são obrigadas a assistir mais uma morte quando o refém dos nossos protagonistas dá a Rick a ideia de que ele pode ser Negan. Numa das últimas imagens do episódio, Carol aperta em sua mão a cruz do rosário que segurava, tão forte que seu próprio sangue é derramado.

Veja o teaser do próximo episódio, “Twice as Far”: