CONTÉM SPOILERS

Então quer dizer que a temporada final de uma série de grande sucesso e popularidade está deixando os fãs revoltados? Essa certamente não é a primeira vez que acontece, e era óbvio que Game of Thrones deixaria muitas pessoas bem infelizes em sua reta final na HBO. Mas o que exatamente está provocando reações tão negativas?

Primeiramente, acho que o tempo é um fator importante. A oitava temporada tem apenas 6 episódios, e ainda que a maioria deles tenha uma duração mais extensa, que transcende a faixa de 60 minutos, parece pouco tempo para muito desenvolvimento – ou nesse caso, a subversão de narrativas até então estabelecidas. O fato de que o Rei da Noite e os Caminhantes Brancos, vilões que haviam sido estabelecidos desde a primeira tomada do episódio piloto (quando a Patrulha da Noite é atacada no Norte) terem sido descartados de forma fácil e “simples” demonstra que D.B. Weiss e David Benioff estão na intenção de puxar o tapete do público.


De Quebradora de Correntes à Rainha Louca

Mas o que definitivamente está deixando os fãs em furor é o arco de Daenerys Targaryen. De Quebradora de Correntes e líder nata nas 7 temporadas anteriores, a Mãe dos Dragões está rapidamente se convertendo para uma tirana. Se tornando a Rainha Louca, como seu pai Aerys II se tornou, antes de tentar queimar toda a Porto Real durante a invasão de Robert Baratheon. De certa forma, é poético e condizente com a mitologia Targaryen que Daenerys descompense e acabe levando Drogon para queimar a cidade e matar centenas de inocentes.

Como narrativa, faz sentido. O problema, novamente, é o tempo. O início da paranoia e mudança de ar da personagem aconteceu praticamente de um episódio para outro, suportado pela revelação de que seu “amado Jon” (me perdoem os Jonerys, mas esse romance besta nunca colou), a morte de mais um dragão e também de seus grandes aliados, Sor Jorah Mormont e Missandei. Foram diversas perdas e ataques psicológicos a Daenerys em pouco tempo. Por mais que faça sim sentido narrativamente, foi uma mudança muito brusca e sem o desenvolvimento necessário para que trouxesse o impacto necessário.

O Dilema Lannister

Mas Daenerys não é a única a ter seu arco contestado. Em “The Last of the Starks”, os fãs se manifestaram contra a decisão de Jaime Lannister de abandonar Brienne de Tarth e, mais uma vez, voltar aos braços da irmã que ama. Vai contra o desenvolvimento notável e a jornada para a nobreza que o antigo cavaleiro teve por anos, e faz sentido que isso frustre os fãs. De certa forma, sempre esteve na natureza de Jaime, e em seus episódios finais, infelizmente ele mostra que não pode ser convertido. Faz parte do caráter de Game of Thrones, mas Jaime realmente merecia algo melhor. Ainda nesse âmbito, ninguém ficou feliz ao ver a valente Brienne se desfazendo em lágrimas pela partida de Jaime, representando mais uma subversão de personagem.

De forma similar, Cersei Lannister é outra personagem que foi cruelmente subestimada nessa temporada. A grande vilã de Lena Headey mal apareceu nos episódios, dando a impressão de que a Rainha estava, como sempre, esquematizando um grande plano para enfrentar Daenerys e sua frota. Não foi nada disso que vimos em “The Bells”, penúltimo episódio da temporada. A impressão que fica é que Cersei nem ao menos tentou, com as tropas da Companhia Dourada sendo facilmente derrotadas por Drogon – e nem a gigantesca frota naval de Euron pôde oferecer dificuldades, mesmo acertando um dragão três vezes na cabeça no episódio anterior.

Ter Cersei morrendo daquele jeito, praticamente fugindo e sem uma grande catarse ou um desfecho digno, foi realmente anticlimático.

Tragam os Livros!

Há quem diga que toda essa pressa narrativa, – que sejamos sinceros, começou já na temporada passada com os saltos geográficos e encontros repentinos – seja consequência da ausência dos livros de suporte. Como bem sabemos, a série cobriu apenas os primeiros 5 livros de As Crônicas de Gelo e Fogo, com os dois últimos volumes ainda em longo desenvolvimento por George R.R. Martin. Claro, não é como se Benioff e Weiss simplesmente inventassem o que acontece na série após os eventos dos primeiros livros; Martin é produtor executivo da série e obviamente enviou todo o material sobre o desfecho de cada personagem para a HBO. Não é nada absurdo, porque a maioria das decisões (mesmo as mais absurdas) parecem corretas, mas não ganharam o suporte necessário: vide a loucura de Daenerys, a morte do Rei da Noite, a virada de Jaime Lannister.

Talvez nos futuros (hipotéticos?) livros, Os Ventos do Inverno e Um Sonho de Primavera, todas essas decisões façam sentido. Mas até mesmo o próprio Martin afirmou que achava que a série precisaria de mais tempo para dar conta de todas as narrativas, e isso realmente é verdade quando assistimos aos novos episódios.

Não sei se o romance forçado entre Daenerys e Jon realmente existe nos projetos de Martin, já que é um tanto inconsequente para a atual narrativa da série, mas espero que faça mais sentido se for o caso. Afinal, os livros de Martin são verdadeiros tijolos, e devem oferecer mais conteúdo do que a prosa de Weiss e Benioff – que são ótimos produtores, mas carecem de habilidades como roteiristas (Benioff escreveu X-Men Origens: Wolverine, nunca se esqueçam).

Aumente o brilho da TV

Além das controversas decisões para seus personagens, é necessário fazer uma observação sobre a temporada final de Game of Thrones: espetáculo. Fomos prometidos as maiores batalhas e cenas de ação da história da televisão, e tudo foi por água abaixo quando o grande episódio da guerra contra os Caminhantes Brancos foi indesculpavelmente mal fotografado. Claro, o padrão de direção da série ainda garante grandes cenas, de nível cinematográfico, mas quem esperava por outra Batalha dos Bastardos ou Invasão de Água Negra, certamente ficou decepcionado.

Com tudo isso em jogo, Game of Thrones tem apenas uma chance para agradar os fãs. O último episódio será exibido na semana que vem, e seguindo a linha de outras grandes séries populares em sua reta final, podemos esperar mais uma divisão de opiniões ao estilo Lost e How I Met Your Mother.

Se for ruim, sempre teremos os livros. Se um dia forem mesmo lançados.

A oitava e última temporada de Game of Thrones está focando na luta final pelo Trono de Ferro. Os episódios são disponibilizados no Brasil pela emissora e pelo serviço HBO GO simultaneamente à exibição nos Estados Unidos.

Além da oitava e última temporada, a HBO já está planejando a produção de série derivadas de Game of Thrones, uma delas estrelada por Naomi Watts, ainda sem data de estreia.

A temporada final de Game of Thrones está em exibição na HBO.