Quase todas as mortes de personagens importantes em The Walking Dead deixam uma impressão marcante nos fãs. Vimos isso no passado quando Negan matou Glenn, ou quando o Governador matou Hershel, e até mesmo com a despedida de Andrea.

A morte mais recente nas HQs da saga foi também a mais chocante: Rick Grimes foi executado por Sebastian Milton na edição #192. O falecimento do protagonista chocou fãs e dividiu a opinião dos leitores.

Uma tragédia anunciada

Robert Kirkman, o criador da série, já havia dito várias vezes que era uma questão de tempo para Rick morrer. No entanto, muitos fãs acreditaram que o escritor estava blefando, e que a saga terminaria com Rick idoso e vivo.


Além de tudo, o Rick de Andrew Lincoln sobreviveu na série, o que fez o personagem parece “intocável”. Em outubro do ano passado, Kirkman revelou que as HQs seguiriam um caminho diferente da série.

Mesmo assim, é difícil acreditar que o herói e Superman do apocalipse está morto, ainda mais assassinado por um personagem tão desinteressante quanto Sebastian Milton.

Símbolo

A razão pela qual a morte de Rick é tão chocante é o fato de Kirkman ter criado um herói concreto, um dos raros símbolos incorruptíveis, difíceis de se achar em histórias em quadrinhos.

A morte é, porém, condizente com o mundo de The Walking Dead, marcado pela imprevisibilidade e choque.

Fãs de Game of Thrones viram na última temporada que as situações mais chocantes as vezes não acontecem em grandes batalhas, mas em cenas íntimas e inesperadas.

O que mais irritou os fãs foi o assassino de Rick: Sebastian Milton. Leitores queriam ver Rick ser assassinado por um personagem mais importante e imponente, não pelo filho mimado da governadora da Commonwealth.

Gostando ou não gostando da morte de Rick, uma coisa é certa: um mundo de possibilidades se abriu para o futuro da HQ.