Coringa 2 ainda não foi confirmado pela Warner Bros. e nem pelo diretor Todd Phillips, mas o sucesso do primeiro longa foi tão grande, que uma sequência é algo praticamente inevitável.

Se Todd Phillips e a Warner criarem uma história suficientemente interessante para convencer Joaquin Phoenix a voltar a viver o Coringa, o novo longa deve esbarrar em um problema complexo: A ausência do Batman.

Em Coringa, Bruce Wayne ainda é uma criança. Se Coringa 2 for produzido, quem vai ameaçar o vilão interpretado por Joaquin Phoenix em seu reino de terror em Gotham?


Depois de contar a história de origem do Palhaço do Crime, ele precisa agora ganhar um rival a sua altura, e só o Batman pode fazer esse papel.

Em um artigo, o CBR explicou porque Coringa 2 ficaria sem sentido com a ausência do Batman.

Falta de conflito

Todo filme precisa de conflito para funcionar. O conflito de Coringa acontece entre Arthur Fleck e a sociedade opressora que o negligencia, mas é importante lembrar que ao final do longa, esse conflito é totalmente superado.

Se transformando no Coringa, Arthur Fleck vira um ícone dos mais pobres, se vingando de todos aqueles que o oprimiram e atacando a alta sociedade de Gotham. Essa história pode ser repetida – ou ganhar continuidade – em Coringa 2, mas isso certamente não seria tão interessante assim.

Agora que o Coringa se provou como vilão perante a sociedade, ele precisa de um novo inimigo, um rival, alguém que apresente uma visão diferente de sociedade. Esse alguém é o Batman.

Consequências

Uma boa sequência cinematográfica lida com as consequências dos acontecimentos do primeiro filme. Se Coringa 2 for criado, os acontecimentos deste primeiro filme terão um papel fundamental em estabelecer a próxima história e no fim, todos eles traçam o caminho para a aparição do Batman.

A revolta gerada pelo Coringa vai criar duas coisas: O caos em Gotham City, que deve gerar a aparição de outros vilões, como o Pinguim e o Charada; e o contra-ataque das forças de segurança, por meio da polícia de Gotham – possivelmente comandada por Jim Gordon.

Essas duas coisas se conectam diretamente ao Batman, vigilante que surge para enfrentar a corrupção e a violência de Gotham em parceria com a polícia – em alguns casos.

O Batman é inevitável

Ao final de Coringa, as ações do protagonista acabam levando a morte de Thomas e Marta Wayne, o que futuramente vai fazer com que o Batman nasça.

Ou seja, assim como os Wayne ajudaram na criação do Coringa – de certa forma – com sua negligência, o Coringa também foi responsável pela criação do Batman, herói que vai derrotá-lo no futuro.

Além de poético, isso mostra como as ações do Coringa terão consequências e como o surgimento – e eventual enfrentamento – com o Batman fazem parte da construção deste personagem.

Coringa 2 pode mostrar o personagem enfrentando outros vilões de Gotham ou Jim Gordon, mas nenhum desses adversários seria tão empolgante e interessante quanto o Batman.

Mas como encaixar o Batman em Coringa 2 quando The Batman, protagonizado por Robert Pattinson, está chegando em 2021 com uma linha do tempo totalmente diferente?

De fato, é uma tarefa difícil, mas esse é um trabalho para a equipe criativa da Warner e da DC. No fim do dia, a máxima continua: Não existe Coringa sem Batman e nem Batman sem Coringa.

Coringa está em exibição nos cinemas. The Batman estreia em 25 de junho de 2021. Coringa 2 ainda não foi confirmado pela DC.