O The Telegraph reportou nessa quarta (29) que o ator Geoffrey Rush, conhecido pelo papel de Barbossa em Piratas do Caribe, foi acusado por uma funcionária do Sydney Theatre Company, onde ele estrelou a peça Rei Lear em 2015, de assédio sexual.

“A Company recebeu uma reclamação poucos meses depois do fim da montagem da peça com o Sr. Rush. Continuamos trabalhando e investigando essa denúncia, para minimizar o risco de futuros incidentes desse comportamento no nosso ambiente de trabalho”, disse a nota oficial da companhia de teatro.

A acusadora pediu que sua identidade fosse preservada quando as denúncias fossem a público, e o ator, vencedor do Oscar por Shine (1996) e com mais três indicações no currículo, negou as acusações.


“O Sr. Rush não foi abordado pela Sydney Theatre Company sobre a denúncia ou sobre nada relacionado ao que está descrito na matéria do The Telegraph. O Sr. Rush nega qualquer denúncia de comportamento inapropriado”, disse o representante do ator.

Rush foi indicado ao Emmy 2017 por sua atuação como Albert Einstein na série Genius, e é apenas o mais recente de uma longa lista de atores, diretores e produtores de Hollywood acusados de assédio sexual.

O começo das denúncias pode ser traçado a uma reportagem do The New York Times sobre a conduta de Harvey Weinstein, apontado por mais de 60 mulheres em acusações de assédio, e que já vem sentindo as consequências legais das denúncias.