“Dê às pessoas o que elas querem” é um velho ditado no mundo dos negócios. E já que definitivamente não há negócios como o show business, as estrelas do showbiz mais experientes fazem exatamente isso: dar às pessoas o que elas querem.

No final dos anos 80, o que as pessoas queriam eram filmes de ação em que traficantes de drogas e criminosos internacionais fossem chutados, esmurrados e baleados por um especialista em artes marciais – em outras palavras, Steven Seagal

O ator dominou as bilheterias por anos com grandes sucessos como Difícil de Matar, Nico – Acima da Lei e A Força em Alerta.  


Mas, embora você tenha que dar às pessoas o que elas querem, o que elas querem nem sempre é a mesma coisa. Os gostos mudam e, eventualmente, Seagal deixou de ser uma estrela de cinema. Aqui está uma olhada no que ele tem feito desde que se afastou dos holofotes.

Filmes menores e acusações de abuso sexual

O contrato de Steven Seagal com a Warner Bros. terminou com o lançamento do suspense de tema ambiental Ameaça Subterrânea em 1997. Ele ainda faz filmes de ação, e ainda os lança. Desde 1998, entretanto, a maioria (mas não todos) foi diretamente para DVD e/ou serviços de streaming.

Entre esses projetos: Guerra Biológica, Rede de Corrupção, No Corredor da Morte, Determinado a Matar, Operação Sol Nascente, Lado a Lado Com o Inimigo, O Forasteiro 2, Força de Ataque, Justiça Urbana, Caçada Explosiva, Código de Honra e Conduzido para Matar. Ao todo, Seagal produziu mais de 30 filmes em menos de 20 anos.

Só em 2016, ele estrelou em sete colossais filmes não lançados nos cinemas (ou mal lançados nos cinemas): Contratado para matar, End of a Gun, Código de Honra, Sniper: Operações Especiais, Conexão Ásia, Cartels e A Arma Perfeita.

Em outubro de 2017, a correspondente da Inside Edition, Lisa Guerrero, lembrou-se de uma audição de 1996 para Ameaça Subterrânea, após a qual ela disse que Steven Seagal a convocou para ir a sua casa para um “ensaio particular”.

Ela recusou, e o papel principal que ela disse que havia sido prometido foi para outra atriz. A personalidade da televisão Jenny McCarthy também se manifestou, dizendo que Seagal exigiu que ela tirasse o vestido durante uma audição para A Força em Alerta 2. Seagal negou essas acusações. 

Rachel Grant, uma ex-“Bond girl” que apareceu no filme 007 – Um Novo Dia Para Morrer, veio a público com sua própria história em janeiro de 2018, dizendo à BBC que durante sua audição para o filme de Seagal de 2003, Determinado a Matar, ele a empurrou para um cama e baixou as calças.

Mais uma vez, Seagal negou qualquer irregularidade. Também em janeiro de 2018, duas mulheres preencheram relatórios policiais em Los Angeles – e uma delas, a ex-integrante de Em Terreno Selvagem, Regina Simons, ofereceu um relato detalhado de Seagal estuprá-la quando ela tinha 18 anos.

Solicitado para comentar, o LAPD citou leis de confidencialidade mas revelou que estavam investigando outra reclamação contra Seagal.

Rapidamente se tornou aparente que simplesmente dirigir um publicitário para negar supostas agressões não seria suficiente, e Steven Seagal partiu para a ofensiva, usando uma aparição na rede do teórico da conspiração Alex Jones para alegar que foi vítima de uma conspiração bem financiada.

Insistindo em que “40%” das acusações de agressão sexual provenientes do crescente movimento #MeToo foram inventadas, ele jurou vingança contra as pessoas que disse estarem mentindo.