Jonah Hill definiu em recente entrevista para Variety qual é o seu objetivo como diretor. O ator fez a sua estreia na função no longa Anos 90 (Mid90s), atualmente em exibição no Festival de Berlim.

O agora diretor afirma que quer “desafiar a masculinidade tradicional”. Jonah Hill, primeiro, explica o que entende pela expressão.

“A masculinidade tradicional é não mostrar as suas emoções, não mostrar sensibilidade, ou vulnerabilidade, porque isso é ‘feminino’ ou, Deus me perdoe, algo ‘gay’ de se fazer. O que isso faz, e o que temos visto, é que leva a um comportamento horrível, e muitas ações ruins”, comentou o diretor.


Jonah Hill afirma que explora esse pensamento problemático em Anos 90. No filme, o ator, que também escreveu o roteiro, conta que os “garotos conversam um com o outro de uma maneira misógina e homofóbica”.

Anjos da Lei 4 | Sequência com Jonah Hill e Channing Tatum está em desenvolvimento

“Eu apenas quis mostrar que isso é problemático, e realmente explorar isso. Porque essas crianças acabam tomando decisões terríveis, as amizades acabam ficando destruídas, as suas vidas também, e na maior parte do tempo porque não querem dizer que estão em dor. E porque a outra pessoa não pode dizer, ‘Eu também estou'”, declarou Jonah Hill.

Em Anos 90, um adolescente problemático chamado Stevie vive em Los Angeles com sua mãe solteira (Michelle Williams) e o irmão abusivo (Lucas Hedges). Na escola, seus amigos mais ricos parecem ignorá-lo. Quando Stevie faz amizade com uma equipe de skatistas, ele aprende algumas lições difíceis sobre classe, raça e privilégio.

Anos 90 foi exibido nos EUA e agora está em circuito em festivais de cinema. No Brasil, a estreia está marcada para o dia 30 de maio.