Remédio Amargo estreou recentemente na Netflix e já está fazendo o maior sucesso com o público brasileiro. O thriller espanhol é uma interessante história de vingança feminina, cujo final dividiu a opinião do público.

O longa acompanha a história de Angel, um paramédico que acaba confinado a uma cadeira de rodas após um acidente de trabalho. Passando mais tempo em casa, o protagonista começa a desconfiar que sua esposa Vane está vivendo um affair.

Embora esteja fazendo o maior sucesso entre o público da Netflix, o filme vem sendo criticado nas redes sociais pela maneira como retrata pessoas com deficiências.


Confira abaixo tudo sobre essa história!

Problemático?

A principal crítica à trama de Remédio Amargo se baseia na maneira como o filme retrata Angel em sua cadeira de rodas, usando o evento da perda dos movimentos para transformá-lo em um psicopata irremediável.

O protagonista não era dos melhores namorados antes do acidente, mas o filme deixa claro que o fez Angel perder a cabeça foi ser confinado a uma cadeira de rodas.

O namorado possessivo apenas atinge os extremos obscuros após perder a habilidade de andar, como se suas pernas fossem as únicas barreiras entre sua personalidade e os atos terríveis que cometeu contra a namorada.

O filme piora ainda mais sua abordagem problemática quando Angel incapacita Vane, injetando drogas na namorada que resultam na perda do movimento de suas pernas.

O “castigo” é visto como o pior pesadelo de Vane, pior do que ser amarrada e aprisionada por um homem que claramente perdeu sua conexão com a realidade.

Infelizmente, o filme não termina de abordar os temas de maneira responsável, e as performances dos atores pouco fazem para atenuar esse problema.

Mario Casas é passável em sua interpretação de um homem que quer acima de tudo controlar sua esposa. Déborah François tem uma performance sólida como Vane, mas não consegue mostrar afeição real pelo personagem do colega de cena.

De acordo com as críticas de espectadores e jornalistas, Remédio Amargo é uma história sem graça, envolvida em uma premissa problemática e irresponsável.

Olhando pelo lado bom, o filme é tão esquecível que seus estereótipos negativos não devem causar um efeitos duradouro no grande público.

Remédio Amargo está disponível na Netflix.