Em 2020, Lily Collins teve uma presença significativa na Netflix.

Em outubro públicos foram apresentados a ela como a personagem-título no novo seriado Emily em Paris, e em apenas algumas semanas os fãs serão capazes de vê-la junto com Gary Oldman em Mank, de David Fincher.

O que você provavelmente não sabe, no entanto, é que fazer os dois projetos deixou a agenda dela bem louca no segundo semestre de 2019, pois eles tinham uma sobreposição significativa.


O Cinema Blend entrevistou Lily Collins recentemente durante a jornada virtual para Mank, e tendo notado as datas de produção do filme durante sua preparação, o site perguntou sobre como a agenda se alinhava com seu trabalho em Emily em Paris – e a versão curta da resposta que a atriz ofereceu foi: “Não muito bom.”

Como ela explicou, o esforço para fazer parte das duas produções realmente a prejudicou, já que fazia voos internacionais de ida e volta entre os Estados Unidos e a França. Comentando sobre o contraste entre o filme e a série, Collins disse:

“Foi tudo diferente; países diferentes. Na verdade, eu estava no meio das filmagens de Emily em Paris quando David e eu nos encontramos.”

“Eu consegui o papel e depois tive que voar de volta para Los Angeles duas vezes por períodos de 24 horas no espaço de três semanas.”

“E eu apenas fingi que era um robô. Estou em todas as cenas de Emily em Paris, então tive que pegar um voo no fim de semana e fiquei no ar por mais tempo do que no solo, provavelmente para ensaios e testes de câmera.”

Agenda lotada

Geralmente leva cerca de 11 horas para voar de Paris a Los Angeles, o que é muito tempo no ar e uma séria mudança de fuso horário, e embora a maioria das pessoas goste de relaxar um pouco depois de uma viagem como essa, Lily Collins não teve esse luxo.

Como a produção de Emily em Paris basicamente parava quando ela não estava lá, as reviravoltas tinham de ser rápidas e, evidentemente, ela foi ajudada por ter uma imaginação ativa.

Obviamente, seria terrível se Lily Collins passasse por tudo isso e se arrependesse totalmente do esforço, mas felizmente não foi o caso.

Em vez disso, ela está grata por ter tido a oportunidade de trabalhar com as mentes criativas à frente de cada produção, dizendo:

“Mas, honestamente, você faz tudo o que precisa quando está trabalhando com Darren Star e David Fincher. E se você tiver a oportunidade de fazer as duas coisas ao mesmo tempo, faça funcionar.”

Em Mank, que é o primeiro longa de David Fincher desde Garota Exemplar, Lily Collins interpreta Rita Alexander, que trabalha como secretária de Herman Mankiewicz enquanto ele se recupera de um acidente de carro e desenvolve o roteiro do que viria a se tornar o clássico do cinema Cidadão Kane.

Todas as suas cenas acontecem em 1940 e foram filmadas em locações em Victorville, Califórnia (onde os eventos reais aconteceram), e obviamente isso apresentou uma experiência no set muito diferente para a atriz em contraste com Emily em Paris, que a mostra interpretando uma jovem americana contratada por uma empresa de marketing francesa.

Esse contraste era na verdade algo pelo qual Lily Collins era grata, pois permitia que ela dividisse as personagens e as abordasse individualmente. Ela explicou:

“Na verdade, eu me sinto muito sortuda que não foram apenas países diferentes, que na verdade é onde as histórias aconteceram, mas as personagens são drasticamente diferentes até mesmo de um mundo de cores pop para preto e branco. Então fui capaz de me separar.”

A primeira temporada de Emily em Paris está sendo transmitida na Netflix, e Mank estreia no serviço de streaming em dezembro.

O filme está sendo descrito como “fenomenal”, então fique animado!