Stephen King é um titã do terror literário, mas não é perfeito, e uma cena estranha de seu livro de It: A Coisa foi sabiamente deixada de fora dos dois filmes recentes. É bem sabido que King às vezes falha em manter o destino em seus livros, criando finais que não parecem dignos da grande história que os levou.

Isso foi até transformado em uma piada corrente em It – Capítulo Dois, que divertidamente apresentava o próprio King em uma aparição especial para castigar o autor Bill Denborough.

O final de It: A Coisa no livro é realmente bizarro.


É uma batalha cerebral complexa e metafísica entre o Clube dos Perdedores e o monstro Lovecraftiano por trás de Pennywise, o Palhaço Dançante, e embora no final termine em uma morte física da Coisa pelos Perdedores, definitivamente nunca pareceu que seria fácil de se adaptar para um meio visual.

Isso se torna especialmente verdadeiro quando se inclui o envolvimento de Maturin, a Tartaruga Cósmica, no processo, que vomitou o universo dos Perdedores e acabou morrendo engasgada com uma ou duas galáxias.

No entanto, a cena em questão não é aquela batalha final, embora chegue perto do final do livro, especificamente na seção do epílogo pós-batalha. King, com todo o seu material sombrio, é muito sentimental no coração e, neste caso, ele passou para o cafona.

A cena mais boba do livro

No livro de It: A Coisa de Stephen King, a esposa de Bill, Audra, segue-o para Derry, então é sequestrada por Pennywise.

Embora ela seja encontrada viva após o Clube dos Perdedores derrotar a Coisa, ela está em um estado catatônico. Bill, o último a deixar Derry, acaba se inspirando para levá-la para dar um passeio em sua amada bicicleta de infância Silver, que o havia servido tão bem contra o monstro.

Durante o passeio, Audra acorda, aparentemente de volta ao normal, sem nenhuma explicação real sobre por que ou como isso consertou seu cérebro.

Embora esteja longe de ser a coisa mais maluca que já aconteceu em It: A Coisa, parece um confuso momento, e torna-se digno de revirar os olhos. Isso foi traduzido fielmente para a minissérie de 1990 e é ainda mais estúpido quando retratado por atores.

Uma das maiores qualidades de King como escritor é seu amor pelos laços emocionais que unem as pessoas, permitindo-lhe criar relacionamentos de personagem que pareçam reais e verdadeiros, e podem ressoar profundamente com o leitor.

Infelizmente, isso às vezes pode se tornar uma fraqueza, devido à natureza aparentemente bastante sentimental de King.

Embora a bicicleta de Bill, de alguma forma, curando sua esposa possa soar tocante no papel, na prática parece apenas uma maneira preguiçosa de resolver a reviravolta já um tanto preguiçosa de Audra o seguindo até Derry.