A versão de Coringa da história de origem do Batman confirma que os eventos do filme não são reais, mas sim ocorreram na mente de Arthur Fleck. Embora lançado junto com as produções do DCEU, Coringa foi anunciado como um filme independente – embora sua bilheteria e sucesso de crítica possam fazer com que a DC busque sequências.

Dirigido por Todd Phillips e estrelado por Joaquin Phoenix, Coringa conta a história de Arthur Fleck, um comediante com problemas de saúde mental intensos, cujo mundo está desmoronando ao seu redor.

Ao longo do filme, ele se torna o Coringa e causa uma revolução em Gotham City, levando à morte dos pais de Bruce Wayne – um evento que, notoriamente, atua como a história de origem do Batman.


Desde o lançamento de Coringa em 2019, os fãs teorizam que os eventos do filme são, na verdade, em grande parte uma fantasia inventada na mente perturbada de Arthur, com muito do que acontece refletindo mais o que Fleck deseja da vida do que a realidade legítima.

Embora o filme certamente indique isso, com o relacionamento de Arthur com Sophie Dumond (Zazie Beetz) e Murray Franklin (Robert De Niro) revelado ser falso em várias ocasiões, outros eventos são abertos o suficiente para considerar outras teorias.

Dito isso, as memórias de Arthur dos pais de Wayne sendo assassinados no final do filme ajudam a confirmar que os eventos de Coringa provavelmente não são reais, nesse universo.

Durante o clímax do filme, tumultos estouram por toda Gotham depois que Arthur assassina Murray Franklin ao vivo na TV. Enquanto Arthur é preso e colocado em um carro da polícia (que mais tarde bate, permitindo que Arthur seja libertado), um manifestante atira em Thomas e Martha Wayne em um beco, mas poupa o filho do casal – Bruce Wayne.

Na cena final de Coringa, que ocorre no Hospital Estadual de Arkham, Arthur se lembra dos Waynes sendo assassinados – algo que ele não poderia ter testemunhado de sua posição dentro e em cima do carro da polícia. Por esse motivo, os eventos do filme quase certamente acontecem dentro da cabeça de Arthur.

O que realmente aconteceu?

Se isso fosse verdade, poderia ser uma das cenas mais reveladoras de todo Coringa, pois sugere que a razão pela qual ele pensa que os distúrbios (reais ou falsos) foram justificados é porque alguém matou o homem que ele transformou em seu pessoal “vilão” – Thomas Wayne.

As fantasias de Arthur parecem estar à beira da realização de um desejo – como se mostra melhor com seu relacionamento imaginário com Sophie – e isso pode ser visto como o ponto sem volta para ele, à medida que Fleck vai de querer um relacionamento familiar com Thomas Wayne, para imaginar e aparentemente ficar encantado com seu assassinato brutal.

Claro, como esta é uma narrativa retrospectiva, também pode ser interpretado que Arthur está simplesmente relembrando todos os eventos “importantes” que ocorreram nesta noite fatídica – mas a maneira como ele o faz ainda questiona o quão precisa sua interpretação de eventos pode ser.

Dito isso, Coringa é um filme que é melhor deixar a interpretações, já que filmes como Psicopata Americano mostraram que um narrador não confiável (e instável) permite um nível de mistério em uma trama que deixa o público questionando o que exatamente aconteceu nos próximos anos.

E com o alto nível de elogios da crítica a Coringa, parece que qualquer coisa que se assemelhe a uma resposta sólida em termos de precisão narrativa de Fleck apenas diminuiria o filme como um todo, já que grande parte da empolgação reside em sua incerteza.

No Brasil, Coringa está agora disponível no HBO Go.