Atenção! Contém spoilers de Pieces of a Woman.

Baseado em uma peça de teatro homônima, Pieces of a Woman estreou recentemente na Netflix. O filme vem emocionando o público brasileiro, principalmente pela maneira como aborda temas como a mortalidade infantil, a depressão pós-parto e a ligação entre mães e filhos.

O longa é protagonizado por Vanessa Kirby, conhecida por interpretar a Princesa Margaret nas primeiras temporadas de The Crown. A performance da atriz foi extremamente elogiada, e deve garantir indicações às premiações mais importantes do entretenimento.

“O triste resultado de um parto em casa deixa uma mulher emocionalmente destruída”, afirma a sinopse oficial divulgada pela Netflix.


A primeira sequência do filme tem dado o que falar nas redes sociais. Confira abaixo tudo sobre gravação da cena e seu significado na trama!

Realidade incômoda

A adaptação da peça Pieces of a Woman começa com um plano-sequência impressionante, que mostra todos os aspectos do parto de Martha Weiss, protagonista vivida por Vanessa Kirby.

A personagem opta por um parto em casa, e quando começa a sentir as contrações, seu marido Sean – vivido por Shia LaBeouf – liga para a parteira, que se mostra indisponível. Ela é substituída por Eva, personagem de Molly Parker.

O nascimento é bastante complicado, e Eva sugere uma ida ao hospital. No final da cena, os três conseguem realizar um parto bem sucedido.

No entanto, a alegria dura pouco. Eva percebe rapidamente que o bebê está ficando azul, e mesmo com a ajuda de uma ambulância e paramédicos, o recém-nascido acaba morrendo. Martha é culpada pela própria mãe pela morte do bebê, em um momento caótico e extremamente triste.

“É uma cena difícil de se discutir”, afirmou Ellen Burstyn, a intérprete da mãe de Marthe.

Segundo o Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos, pelo menos 566 bebês morrem a cada 100 mil partos. A maioria é afetada por “complicações maternais da gravidez”.

O diretor Kornél Mundruczó e sua equipe de produção conseguiram captar o realismo emocional do parto de Martha como ninguém. O cineasta falou sobre a gravação da primeira cena em uma entrevista ao site Looper.

Mundruczó explicou que o filme usou um recém-nascido de verdade na cena do parto, ao invés de um boneco ou uma criação de CGI.

“Tivemos uma oportunidade incrível com uma mãe em Montreal. Ela nos deu a oportunidade de filmar com o bebê, e também fez parte daquela cena”, contou o cineasta.

Para interpretar a protagonista Martha, Vanessa Kirby passou semanas com uma gestante e acompanhou um parto em casa de aproximadamente 6 horas de duração.

Mesmo assim, nem tudo que vemos na tela é real. O momento em que o bebê fica azul foi obviamente produzido com computação grávida.

“Era um bebê real, e você pode ver isso na expressão da Vanessa. Esse tipo de conexão nunca aconteceria com um bebê de CGI. É impossível”, contou o diretor húngaro.

Em outra decisão interessante, o diretor optou por não mostrar o bebê morrendo. O falecimento do recém-nascido acontece fora das telas, e seu efeito é sentido por todos os personagens.

“Eu realmente não queria mostrar o cadáver. Não apenas pela questão do voyeurismo, mas porque queríamos contar uma história sobre graciosidade, amor e força, não apenas sobre perda e tragédia”, afirmou o diretor.

Pieces of a Woman está disponível na Netflix; veja o trailer abaixo!