Roseanne Barr diz que “implorou” para a emissora ABC não cancelar sua série, Roseanne, após um escândalo de racismo durante o começo da semana, mas seu ex-marido, Tom Arnold, não acredita nisso.

Em uma entrevista para o The Hollywood Reporter, Arnold disse que acha que Barr queria que o show fosse cancelado, e tudo poderia ter sido evitado se alguém tivesse acabado de tirar o telefone dela.

“[O cancelamento] teve que acontecer”, disse Arnold. “E eu vou lhe dizer a verdade, ela queria que acontecesse, se você visse como seus tweets escalaram este fim de semana. Se não tivesse acontecido ontem, esta temporada teria sido tão horrível para todos todos os dias, porque ela teria senti como se ela estivesse [sendo] aproveitada [de], assim como quando eu saí do show. ”


Roseanne | Revival da série não mencionará mais o nome de Donald Trump

Barr enfrentou uma chuva de críticas ao se referir com termos derrogatórios a uma ex-conselheira do presidente Barack Obama. Barr caracterizou Valerie Jarrett, que é afro-americana, como “uma mistura da Irmandade Muçulmana com Planeta dos Macacos”.

Desde então, Barr se desculpou no Twitter: “Eu peço desculpas a Valerie Jarrett e a todos os americanos. Eu realmente sinto muito por ter feito essa piada ruim sobre as políticas e o visual dela. Me perdoem, a piada foi de mau gosto”.

O chefe da ABC, Channing Dungey, liberou uma declaração junto com o anúncio do cancelamento: “As falas de Roseanne são repugnantes, aberrantes e inconsistente com os valores da ABC”.

Ao lado das nove temporada originais da série, exibidas entre 1988 e 1997, a próxima seria a 11ª temporada da sitcom.